Caem em média 5.470 raios em Lages

O Grupo de Eletricidade Atmosférica – Elat do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE realiza sistematicamente pesquisas com relação a queda de raios(descargas elétricas) no Brasil e nos estados. Santa Catarina, é o segundo estado que mais caem raios por ano, cerca de 12,33 por km2, totalizando um milhão de raios por ano. Lages em 2017 teve uma média de 5.700 raios por ano e no ano passado, foram 5.470 raios, representando 3,53 Km2/ano. Devido a esta estatística, o município ocupa a posição de 233 no estado. Segundo previsões do INPE, para esta temporada no sul do Brasil, a queda de raios deve ter um aumento de no mínimo 50%, devido ao fenômeno “El Niño”.

Na serra catarinense Ponte Alta é o município que mais cai raio com 4,87 raios por km2/ano, ficando na 67ª posição no Estado, em seguida Otacílio Costa com 4,79 Km2/ano na posição 81. Palmeira, também sofre grande incidência de queda de raios, por isso está na 95ª colocação em Santa Catarina com queda 4,68Km2. Os demais municípios da serra ocupam posições próximas a 250, considerando que o Estado possui 295 municípios. Os pesquisadores do instituto consideram índice alto a cima de 5. Em 2018 caíram 910 em Anita Garibaldi, 1.560 em Bocaína do Sul, 2.140 em Bom Jardim da Serra e 3.400 em Bom Retiro. No Brasil cerca de 100 pessoas morrem por ano vitima de raios, porem no próximo mês de março, novo estudo será divulgado pelo Elat. Este ano 3 pessoas já morreram vitimas de raio no país. Nesta quinta feira, um homem estava pescando as margens da Br-116 em um rio próximo a antiga Perdigão e um raio caiu muito próximo. Devido a este acidente o corpo de bombeiros foi acionado para atendê-lo, não precisando condução ao hospital.
Guaramirim, localizada no norte, é a cidade que mais cai raio em Santa Catarina 8,91 Km2/ano.
Mitos e curiosidades sobre raios:

Um raio não cai duas vezes no mesmo lugar?
Não é verdade e uma prova disso é o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, que recebe ao menos seis descargas atmosféricas por ano. A origem desse mito está nos índios, que usam pedras atingidas por raios como amuletos, acreditando que estão protegidos contra os relâmpagos.
É perigoso ficar dentro do carro durante a chuva? Na verdade, o veículo fechado é o local mais seguro contra raios – nunca ninguém morreu no Brasil atingido por raio dessa forma. Se o carro é atingido por umraio, a descarga elétrica se espalha por sua superfície metálica, sem atingir quem está dentro dele.
Espelho atrai raios? O mito vem dos tempos em que os espelhos tinham molduras metálicas bem grossas – elas, sim, um atrativo para as descargas.
Qual é a diferença entre trovão, raio e relâmpago? Relâmpago é toda descarga elétrica emitida por uma nuvem; raio é a descarga elétrica que toca o solo. Trovão é o som produzido pela descarga elétrica.

Dá para saber a que distância caiu o raio? É possível estimar a distância em quilômetros com um cálculo simples: basta contar o tempo (em segundos) entre o momento que se vê o raio e se escuta o trovão e dividir por três obtendo-se a distância aproximada em quilômetros.
Existem raios que não partem das nuvens? Sim, são os chamados raios ascendentes, que saem de estruturas altas (torres, prédios altos) em direção às nuvens. Correspondem a cerca de 1% dos raios. O ELAT foi o pioneiro no registro deles no Brasil, observados em torres do pico do Jaraguá na cidade de São Paulo.
Os raios são diferentes em diferentes regiões?
Sim. No Brasil, os raios do Rio Grande do Sul tendem a ser mais fortes e destrutivos do que os que caem em outras partes do país.

Imagem: Internet

Compartilhe

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *